[GUIA] Como fazer uma Gestão de Datacenter – Parte 1

gestão de datacenter
 Tempo de leitura: 9 minutos

Gestão de Datacenter é um tema com cada vez maior demanda, sobretudo para negócios em crescimento e com expansão demasiada de informações. Porém, não deixa de ser importante para negócios menores, pois todo mundo precisa de segurança com suas informações e dados. Neste artigo você irá conferir como ter uma boa gestão de datacenter, os pontos mais importantes a serem analisados e como analisa-los.

Não vamos economizar em informações e pular etapas. Comecemos com os pontos cruciais. Vamos lá?

Principais prioridades de negócios

Há alguns fatores predominantes que precedem e compõem uma boa gestão de datacenter, precisamos ter em mente que todo negócio tem suas prioridades. Podemos lista-las como:

– Aprimorar processos;
– Controlar custos operacionais;
– Relacionamento com clientes;
– Efetividade da força de trabalho;
– Aumentar lucro.

Foco do CIO

Dentro das prioridades predominantes na gestão de datacenter citadas acima, há outro fator fundamental para alcança-las. Trata-se do CIO (Chief Information Officer), Diretor de TI, responsável pela área de informática de uma empresa. Dentre suas diversas responsabilidades, as principais são:

– Manter segurança e conformidade do ambiente sob controle;
– Automatizar processos e reduzir complexidade;
– Otimizar recursos, cumprir níveis de serviço e implementar agilidade;
– Facilmente adaptar os serviços de TI de acordo com as necessidades de negócios.

Definição de estratégia

Qual a melhor estratégia para ser adotada? Na hora de definir a melhor estratégia a ser adotada para alcançar a melhor gestão de datacenter, é necessário decidir entre estrutura própria ou infraestrutura como serviço.

Exemplo: O serviço de Cloud Computing será feito de forma IaaS, PaaS ou SaaS?

Clique aqui para conferir exemplos práticos da aplicação desses modelos de nuvem.

Alinhamento de TI ao negócio

O alinhamento de TI ao negócio passa por diversas camadas até chegar na camada de datacenter, todas essas camadas são fundamentais para agregar na gestão de datacenter.

  • Camada de Negócio (CRM, ERP, cliente) – Governança corporativa; diretrizes estratégicas; conformidade com legislação.
  • Camada de Aplicação Regras de Negócio (desenvolvimento/relacionamento) – Concepção de novos sistemas; manutenção sistemas legados.
  • Camada de aplicação de infra-estrutura (Oracle, SQL Server, Java, ASP Net, MySQL) – Gestão do ambiente de aplicação e banco de dados.
  • Camada do sistema operacional (Windows, Linux) – Gestão do ambiente operacional.
  • Camada de virtualização (VMware, Hyper-V, Xen) – Gestão do ambiente de virtualização/cloud computing.
  • Camada de dispositivo – Gestão de equipamentos (servidores, storage).
  • Camada de rede – Gestão de rede de comunicação.
  • Camada de Datacenter – Gestão de datacenter.

No caso de infraestrutura como serviço, o provedor fornecerá o serviço até a camada de virtualização, ou seja, não precisa se preocupar com infraestrutura de datacenter, ar condicionado, energia elétrica, rede de comunicação, camada de dispositivo, servidores/storage ou com a camada de virtualização. Tudo fica por conta do provedor de serviço.

gestão de datacenter

Gerenciamento de TI

Vamos compreender como funciona o gerenciamento de TI no modelo de tradicional e fazer um paralelo ao gerenciamento dos demais modelos.

No modelo de TI tradicional

Você gerencia:
– Aplicação;
– Dados;
– Middleware;
– Sistema operacional;
– Virtualização;
– Servidores;
– Armazenamento;
– Rede;
– Datacenter.

No modelo de Infrastructure as a Service

Você gerencia:
– Aplicação;
– Dados;
– Middleware;
– Sistema operacional.

Provedor gerencia:
– Virtualização;
– Servidores;
– Armazenamento;
– Rede;
– Datacenter.

No modelo de Platform as a Service

Você gerencia:
– Aplicação;
– Dados.

Provedor gerencia:
– Middleware;
– Sistema operacional;
– Virtualização;
– Servidores;
– Armazenamento;
– Rede;
– Datacenter.

No modelo Software as a Service

Provedor gerencia:
– Aplicação;
– Dados;
– Middleware;
– Sistema operacional;
– Virtualização;
– Servidores;
– Armazenamento;
– Rede;
– Datacenter.

gestão de datacenter

Definição do nível de serviço a ser adotado

Agora que você sabe o alicerce que leva à gestão de datacenter, chegou o momento de focarmos e voltar as informações ao datacenter especificamente. Você pode definir o nível do serviço a partir do nível de ambiente.

Ambiente convencional
Disponibilidade: 99%;
Downtime 3.5 dias.

ou

Disponibilidade: 99.9%;
Downtime: 8.4 horas.

Ambiente de Alta disponibilidade
Disponibilidade: 99.99%;
Downtime: 1 hora.

ou

Disponibilidade: 99.999%;
Downtime: 5 minutos.

Apesar da preocupação com desempenho e tempo de resposta, não pode deixar de lado a resiliência do negócio, que consiste em:
Proteção de InformaçãoPlano de ContinuidadeAlta disponibilidadeConformidade com a Legislação.

Outra coisa importante a se analisar é o nível aceitável de perda para o negócio. Para isso existem dois parâmetros diretamente ligados numa mesma linha.

Recovery Point Objective (RPO) Quanto eu perdi de informação? Determina o quanto você perdeu de informação.
Recovery Time Objective (RTO)  Qual tempo máximo para recuperação desse ambiente? Segundos, minutos, horas, dias, semanas?

gestão de datacenter

Além desses dois parâmetros, existe um terceiro parâmetro interligado neste eixo.

Network Recovery Objective (NRO) Qual o tempo máximo que a rede pode ficar fora do ar? O banco de dados pode estar ativo, o ambiente de aplicação pode estar ativo. Mesmo que não tenha perdido informação, a rede pode estar fora do ar.

Backup: Como pode ser feito?

Fundamental na gestão de datacenter, o backup requer uma estratégia, e pode ser feito de diferentes maneiras:

Backup em fita
Pode levar dias ou horas para recuperação do ambiente de acordo com o volume de dados.

Backup em disco
Pode levar horas ou minutos para recuperação.

Replicação assíncrona em disco
Em caso de ambientes mais críticos, replica os dados a cada quinze ou trinta minutos.

Replicação síncrona em disco
Solução de altíssima disponibilidade, onde é replicada automaticamente.

Disponibilidade x Continuidade do Negócio na gestão de datacenter

Como garantir o SLA? O Service Level Agreement trata-se do acordo do nível do serviço. Dentro desse acordo, há uma tierização dos datacenters. Eles são classificados como:

  • Datacenter Tier 1: Sem redundância de energia e climatização, com disponibilidade anual de 99,671%. A parada pode chegar até 28h48m por ano.
  • Datacenter Tier 2: Redundância parcial de energia e climatização, com disponibilidade anual de 99.749%. A parada pode chegar até 22h por ano.
  • Datacenter Tier 3: 72 horas de autonomia de energia e climatização, redundância(N+1), segurança de acesso físico, com disponibilidade anual de 99.982%. A parada pode chegar até 1h36m por ano.
  • Datacenter Tier 4: 96 horas de autonomia de energia e climatização, redundância completa (2N+1), segurança de acesso físico, com disponibilidade anual de 99.995%. A parada pode chegar a 24 minutos por ano.
  • Servidor Stand-Alone (único): Ambiente sem contingência de hardware, possui segurança e controle de acesso, planos de operação e restabelecimento, documentação e treinamento e possui disponibilidade anual de 99.0%. Sua parada pode chegar a 87h36m ao ano
  • Duplicação de servidores: Contingência de hardware, contingência em cluster, recursos de contingenciamento de rede (network) e possui disponibilidade anual de 99.9%. A parada pode chegar a 8h45m por ano.
  • Duplicação de servidores em sites distintos: Redução de RTO, redução de RPO, redução de NRO e possui disponibilidade anual de 99.99%. A parada pode chegar a 52 minutos por ano.
  • Ambiente de alta disponibilidade: Baixo RTO, baixo RPO, baixo NRO, automação de procedimento para recuperação de desastres, com disponibilidade anual de 99.999%. A parada pode chegar a 5 minutos por ano.

Em 2016, 60% dos novos Datacenters serão 40% menores e suportarão 300 mais carga de trabalho. Fonte: Gartner IT Infraestructure, Operations & Datacenter Summit 2013. 9-10 de abril de 2013 – Sheraton São Paulo WTC Hotel.

O ambiente de TI precisa ser ágil, flexível e dinâmico, alinhado com a estratégia de negócios da empresa. Este ambiente precisa ser unificado e virtualizado, gerido por processos, seguro, automatizado e eco-eficiente (ISO-14001), ou seja se preocupando com a sustentabilidade e o uso eficiente da energia do datacenter.

Quando falamos de eficiência observando o datacenter, o que mais consome a energia é a solução de climatização, consumindo mais de 50% da energia gasta com datacenter. Uma gestão de datacenter eficiente não pode ter gastos exorbitantes com energia e climatização. Como melhorar isso? Confira no tópico a seguir.

Energia e Climatização

Quando se trabalha com corredor quente/corredor frio, há muita perda de calor entre os equipamentos devido ao espaço entre eles. Portanto, o ideal é que se remova a porta dos racks e tenha uma camada de proteção que possa inibir esse espaço entre os equipamentos, para uso mais eficiente da climatização do data center. Com isso, sua climatização estará otimizada.

Porém, o ideal seria cobrir e isolar completamente o ambiente de corredor frio, incluindo na parte superior, para que não haja vazão do ar frio, como na parte da frente e de trás do corredor frio, para que tenha uma boa utilização do sistema de climatização do data center.

gestão de datacenter

Armazenamento

Os dados começam a evoluir no ambiente de produção e não param de crescer. Por isso, é necessário uma solução de storage com a melhor performance e com um consumo eficiente de energia e também adotar novas tecnologias, como compressão de dados de duplicação para otimizar espaço em disco.

Provisionamento por demanda de tal forma que não tenha espaço pré alocado sem uso e adoção de tierização de storage, que faz realocação dinâmica dos dados de acordo com uso entre disco de menor desempenho e maior desempenho.

Key TCO Metrics

Confira alguns pontos de atenção na aquisição desses equipamentos.

  • Power consumption – Watts/TB
    Quantos watts por terabyte esse equipamento consome.
  • Aquisition Costs – $/GB
    Custo do gigabyte.
  • Reduced System Weight
    Redução do peso do equipamento.
  • Long-term realibility MTBF
    Melhoria no tempo de disponibilidade.
  • Density/Footprint: TB/SqFt
    Densidade, quantidade de terabyte por metro quadrado.
  • Cooling Efficiency: BTU/TB
    Eficiência energética, a quantidade de BTU de climatização vai precisar por terabyte de armazenamento.

Discos convencionais mecânicos x Discos SSD com memória flash

Neste tópico vamos mostrar a comparação entre tecnologias de armazenamento.

Eficiência energética
Disco mecânico: É capaz de armazenar 11.4 GB/w de energia no Datacenter
Disco SSD: 570 GB/w

IOPS
Disco mecânico: Chega a 43.1 IOPS por segundo por watt
Disco SSD: Chega a 42.850 IOPS por segundo por watt

Densidade física
Disco mecânico: 4.2 IOPS por segundo por polegada cúbica(4.2 IOPS/in³)
Disco SSD: 1.250 IOPS por segundo por polegada cúbica (1.250 IOPS/in³)

Capacidade de armazenamento
Disco mecânico: 1 GB/in³
Disco SSD: 16 GB/in³

Conclusão:
O disco SSD é mais performático. Por esse motivo, o valor do disco SSD requer mais investimento.

Matriz comparativa entre disco SSD e disco HDD convencional.
gestão de datacenter

Fonte da imagem http://pt.slideshare.net/IMEXresearch/ss-ds-ready-for-enterprise-cloud

Analogia de desempenho

Comparativo com o discos SAS de banco de dados e para LOG e disco SSD de dados e SSD de log e suas transações por segundo.

gestã

Fonte da imagem http://www.anandtech.com/show/2739/11

Podemos concluir que o disco de dados e de LOG quando alternado entre SSD e SAS, o disco de LOG não tem ganho significativo numa SQL na troca de um disco ou de outro. No entanto, na parte de dados, onde o acesso é mais intenso, o ganho é bem significativo. Aumentando o ganho de discos, é possível chegar a mais transações por segundo.

Outro fator importante que você também pode conferir no link acima, é o nível de RAID de proteção.

Independente de ser um disco mecânico ou memória flash, é um equipamento adicional no datacenter, um componente que pode apresentar falhas, portanto, quanto menores as chances de perda de informações, melhor.

O disco pode ter o nível de proteção RAID 5 ou RAID 10
Raid 5: 656 transações por segundo
Raid 10: 810 transações por segundo.

gestão de datacenter

http://www.anandtech.com/show/2739/11

Essa foi a parte 1 do nosso Guia de Gestão de Datacenter, tenho certeza que essas informações serão úteis para você. Se inscreva na nossa newsletter para receber a parte 2 que chegará em breve, além de receber diversas novidades sobre o universo de TI.

Dúvidas e sugestões, entre em contato conosco! Será muito bom ajudar de alguma forma. 🙂

E-mail: bbs@bugbusters.com.br
Telefone: +55 (11) 5572.0044
Horário de Atendimento: 8h30 às 18h00
Horário de Atendimento | Servidores e Storages: 24x7x365

Siga-nos